15/02/2018

PERSONAL | Estarei eu reduzida a um número?


Gosto de encontrar textos de que não me lembro nitidamente de ter escrito porque é como fosse transportada no tempo e conseguisse ver a Inês do passado a escrevê-los. Contudo, quando encontrei este fiquei triste porque me lembro de passar por esta fase, mas só quando o li é que me apercebi do impacto negativo que na altura teve em mim. É um desabafo de uma adolescente de 16 anos cansada e ligeiramente revoltada com as regras que a sociedade impõem.
2016 e 2017 foram anos muito preenchidos e positivos em inúmeros aspectos, contudo foram também dos anos em que a minha ansiedade (sim, ansiedade, não nervosismo) esteve num dos seus picos. Pela primeira vez estava a deixar a escola afectar de forma preocupante a minha saúde mental, os primeiros exames do secundário aproximavam-se - e depois a candidatura a faculdade em 2017 -, estavam constantemente a assombrar-me o pensamento e via todos os testes como provas de fogo em que tinha de passar com distinção, custasse o que custasse. Eu - e mais ninguém - era demasiado exigente comigo.

"Está a chover e a vontade de ficar dentro da cama, no quentinho, até horas indecentes é grande, muito grande, chegando mesmo a ultrapassar a infinita lista de coisas que tenho de fazer. Quando, por fim, decido levantar-me, tomar o pequeno-almoço e ligar o computador para começar a riscar itens da minha lista dou por mim a questionar o efeito da escola na minha vida; o porquê de estar a aprender o que estou a aprender; se será que vale tudo a pena. Até que ponto é que as notas que se tiram num teste definem inteligência ou até mesmo capacidade de executar um determinado trabalho, que é para isso que a escola está a preparar-nos?

Quando era mais nova adorava a escola, sentia que perceber aquilo que me ensinavam era mais importante do que tirar uma boa nota. No entanto, principalmente com a entrada no secundário, senti uma grande mudança na maneira como se abordava a escola. Os números é que interessam, afinal são eles e apenas eles que nos vão colocar na nossa faculdade de sonho ou fazer-nos sentir como falhados por não ter conseguido. O perceber a matéria passa para segundo plano, passando o "ter boas notas para atingir uma média" a primeiro plano. Parece que o entender o que é ensinado ou até mesmo a maneira como se consegue essa média não interessa, o importante é tê-la.
Este processo deixa-me não só ansiosa durante os testes por causa do "preciso de x valores neste teste" como também faz com que me sinta reduzida a um número. Como é que a minha vida, o meu futuro pode estar reduzido a um número?"
Fevereiro.2016


Lembro-me vagamente de quando comecei a sentir-me assim, reduzida a um número, e quando comecei a perder o encanto que tinha pela escola. Foi triste, muito triste, principalmente por ser uma pessoa muito curiosa que tem um gosto enorme e intrínseco por aprender coisas novas.
Agora na faculdade, felizmente, deixei de me sentir assim. Não vou mentir, as notas continuam a afectar-me, principalmente se foi um teste ou trabalho para o qual trabalhei muito e dei muito de mim, mas tem menos efeito. Gosto mais das aulas, não me importo - gosto! - de saber mais além e deixa-me extremamente feliz perceber que estou lentamente a recuperar essa parte de mim, que já não me sinto tão reduzida a um número e não sinto a necessidade de decorar o que está num livro para depois regurgitar numa folha de papel. Voltei a gostar da escola e de aprender por si só.

5 comentários:

  1. Compreendo perfeitamente aquilo que escreveste e revi-me nos sentimentos que exprimiste acerca do secundario

    ResponderEliminar
  2. (O comentário enviou antes de acabar desculpa..)
    Mas ainda bem que conseguiste ultrapassar isso, porque apesar de na faculdade as notas também serem relevantes acho que as aulas são mais interessantes e o curso está ligado a algo que nos motiva/apaixona, o que o facilita :)

    ResponderEliminar
  3. Acho que todos temos fases em que nos sentimos mais desmotivados e em que parece que o esforço não é recompensado. Mas temos de saber dar a volta e fico contente por agora sentires isso :)
    Acabei o secundário com uma média muito baixinha, por exemplo, mas entrei no curso que sempre quis e sinto-me tão mas tão realizada. Isto é o mais importante, sentirmos-nos realizados e sabermos que aprendemos sempre coisas :)

    ResponderEliminar
  4. É completamente normal passar-se por essa fase, pena não poder dizer-te que será a única ou a última que vais enfrentar. Mas o que importa é pensares só para ti o que realmente te faz feliz (longe de médias, números que arredondam as tuas capacidades e interesses....) Porque fazer o que nos faz mesmo feliz é a única solução para acalmar a ansiedade. Não tenho muitos anos de experiência mas sinto que agora paro mais para pensar sempre que me sinto sub carregada. E assumo muito melhor o controlo/rumo da minha vida sempre que o faço.
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar