09/07/2016

Personal | 11º Ano


Passadas três semanas desde que fiz o meu último exame e pude respirar de alívio, aqui estou eu, viva e penso que pronta para fazer uma retrospectiva deste ano lectivo. Estaria a mentir se dissesse que foi um ano calmo em que tudo correu como esperava - o que, como é quase óbvio, acontece poucas vezes - e que estou inteiramente satisfeita com os resultados.

Em comparação com há um ano atrás sinto-me muito menos perdida, encontrei um rumo e dediquei este ano a aproximar-me cada vez mais do meu grande objectivo. Contudo acredito que isso tenha acabado por trazer também algumas consequências negativas que só comecei a notar quando a época de exames estava a acabar: estava a tornar-me obcecada com a escola a um nível não saudável. Embora possa parecer algo pouco comum ou até mesmo esquisito, acredito que tenha acontecido por saber que é através da escola que atinjo o meu objectivo and sometimes things get out of hand.

Falando agora de coisas mais positivas, em Fevereiro inscrevi-me num programa de uma semana durante a Páscoa na faculdade para onde quero ir e não só fui aceite como acabou por ser provavelmente a melhor experiência que tive este ano lectivo. Fui sozinha - algo que demorei muito tempo a debater mas que decidi enfrentar -, conheci pessoas muito diferentes de mim mas que ao mesmo tempo eram tão iguais, tive ainda mais certezas do que quero e, por incrível que pareça, acredito que foi a esta semana super cansativa durante as férias que consegui ir buscar a motivação de que precisava para conseguir mais do que sobreviver ao 3º período - o que não é costume acontecer.

Este foi um ano em que aprendi imenso, enfrentei medos, foi-me dada a oportunidade de participar em projectos e fiz questão de também procurar projectos em que me pudesse envolver. Foi um ano de extremos, com alguma instabilidade no campo pessoal, (muito) trabalhoso no que toca aos estudos, cheio de pressões e sentimentos de nervosismo completamente desnecessários para testes - que naquele momento faziam todo o sentido - e também de desafios no que toca a gestão de tempo (acreditam que o dia  tem mesmo 24 horas?!?!) que nunca pensei ultrapassar da maneira que fiz. No entanto, foi também um ano de novas amizades, de bons momentos acompanhados de muitas fotografias, de self-discovery como consequência de sair da zona de conforto, muitos sorrisos quando as coisas corriam bem e extrema alegria quando as expectativas eram não só correspondidas como ultrapassadas.

Para o meu décimo segundo ano, último ano de secundário (ainda é estranho dizer isto) e de uma etapa da minha vida, não quero estabelecer metas tão específicas como no 10º e 11º. Quero estar concentrada na escola - ainda por cima a prova de ingresso que preciso é só feita nesse ano! - mas ao mesmo tempo quero ter tempo para mim, quero focar-me na minha vida pessoal e voltar a fazer exercício, de que tanto sinto falta.


P.s.: Apesar de a fotografia que acompanha a publicação denunciar uma das coisas que vou dizer a seguir, achei que valia a pena mencioná-lo de qualquer uma das maneiras. Estou em ciências e tecnologias e fiz o exame de física-química e filosofia.

*Foto da minha autoria, não utilizar sem autorização

3 comentários:

  1. Que tenhas imensa sorte, eu já fiz o meu secundário à 3 anos e foi a melhor experiência da minha vida!
    Irei seguir :)
    with love, KATE ❤

    ResponderEliminar
  2. Na altura do meu Secundário, senti que o 11º tinha sido o ano mais difícil. Felizmente, o 12º foi bastante mais calmo :) Espero que corra tudo bem!

    ResponderEliminar